Castelo de Abrantes
Abrantes

O castelo deve ter tido a sua primeira fase construtiva na segunda metade do século XII e é provável que tenha acusado a influência Templária, ordem que na altura criou, junto ao rio Tejo uma linha defensiva sem precedentes na arquitetura militar medieval portuguesa.




No século XIII, o castelo foi objeto de muitas reformas que se materializaram numa fortaleza gótica. D. Dinis doou a vila a sua mulher, D. Isabel de Aragão, passando a integrar o vasto património das rainhas portuguesas e, modernizou a fortificação com a construção da torre de menagem e de grande parte da cerca do castelo. Esta torre, ao contrário do que acontece com as suas congéneres do período gótico, encontra-se implantada ao centro do recinto, característica do período românico, adivinhando-se por isso poder ter sido uma reutilização de estrutura anterior. No século XV, em Abrantes como em muitos outras fortalezas, alguma da grande nobreza do reino, iniciou a transformação de antigos castelos em paços senhoriais e assim a zona ocidental das muralhas do castelo foi aproveitada para instalar o palácio dos Almeida (depois Condes de Abrantes). O Paço dos Almeida, foi mandando edificar por Diogo Fernandes de Almeida, alcaide-mor da vila e totalmente alterado no século XVIII. A construção barroca, erigida por iniciativa do 1º Marquês de Abrantes, D. Rodrigo Anes de Sá Almeida e Meneses, existem apenas as ruínas, mas percebe-se, pela longa arcaria simétrica de 11 vãos, ladeada por duas torres igualmente simétricas, tratar-se de um conjunto de grandeza. Diogo Fernandes de Almeida, foi rico-homem e a sua participação, na conquista de Ceuta, ao lado de D. João I fê-lo ali ser armado cavaleiro, a 25 de Agosto de 1415, pelo então Infante D. Duarte. Mais tarde, já como Rei, D. Duarte, tornou-o Alcaide-mor de Abrantes, de Punhete (atual Constância) da Amêndoa e Senhor do Sardoal. Foi, ainda, Vedor da Fazenda destes dois reis, como de D. Afonso V assim como Reposteiro-mor e membro do Conselho Real. Foi Pai de D. Lopo de Almeida, 1º Conde de Abrantes, Cavaleiro, diplomata, Vedor da Fazenda, membro do Conselho Real como também Alcaide-Mor de Abrantes, de Punhete e da Amêndoa, do Castelo de Torres Novas, Senhor do Sardoal e de Mação. Foi, ainda, Mordomo-mor, Contador-mor, Chanceler-mor, Escrivão da Puridade e Governador das terras da rainha Dona Joana, Infanta de Leão e Castela e mulher de D. Afonso V.

MORADA

Rua D. Francisco de Almeida

COORDENADAS

39.464945 -8.195038

ENTIDADE REGIONAL DE TURISMO

Turismo do Centro de Portugal

CONTACTO

+351 241 330 100

SITE

cm-abrantes.pt/


GALERIA DE IMAGENS

  • Img Gal
  • Img Gal
  • Img Gal
  • Img Gal
  • Img Gal
  • Img Gal
  • Img Gal


Imagem Património
Santarém, Abrantes

Palacete dos Albuquerque

Imagem Património
Santarém, Sardoal

Casa Grande

Imagem Património
Castelo Branco, Vila de Rei

Casa do Capitão-Mor

Imagem Património
Coimbra, Lousã

Castelo da Lousã

Imagem Património
Coimbra, Penacova

Antiga Hospedaria do Mosteiro de Lorvão

Imagem Património
Coimbra, Penacova

Posto de Comando de Wellington

Imagem Património
Abrantes

Castelo de Abrantes

Imagem Património
Portalegre/Avis, Avis

Castelo e Muralhas de Avis

Imagem Património
Castelo Branco, Sertã

Castelo da Sertã


  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  

Ver Todos Ver Menos


  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  


Ver Todos Ver Menos


  
  
  
  
  
  

Ver Todos Ver Menos